quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Engenharia Química


Ahh! A engenharia química, a mais amada pelas mulheres (9 entre 10 mulheres que fazem engenharia - ciclo básico ou ciência e tecnologia, irão escolher engenharia química). Uma ciência misteriosa, com todos aqueles compostos e misturas, e todas aquelas coisas perigosas que podem explodir a qualquer momento, eu adoro quando podemos explodir algo! MASSSSSSS, nem tudo é o que parece. Eu, apesar de admirar bastante os engenheiros quimicos, odeio quimica, e a engenharia quimica na minha ordem de escolha pessoal só ganha para Eng. cartográfica e Eng. de alimentos.


ENGENHARIA QUÍMICA

É a área da engenharia voltada para o desenvolvimento de processos industriais que empregam transformações físico-químicas. O engenheiro químico cria técnicas de extração de matérias-primas, bem como de sua utilização ou transformação em produtos químicos e petroquímicos, como tintas, plásticos, têxteis, papel e celulose. Desenvolve produtos e equipamentos, além de pesquisar tecnologias mais eficientes. Projeta e dirige a construção e a montagem de fábricas, usinas e estações de tratamento de rejeitos industriais. Pesquisa e implanta processos industriais não poluentes, de acordo a normatização e o desenvolvimento sustentável.

O mercado de trabalho

Embora a crise financeira mundial tenha impactado o mercado em que atua o engenheiro químico, já que dezenas de projetos de novas usinas sucroalcooleiras – empreendimentos que historicamente contratam esse profissional – foram deixados de lado, o cenário não é dos piores. Isso porque esse graduado costuma ser o último elo da cadeia de produção a sentir o impacto de crises, por ser responsável pelo fornecimento de matéria-prima para outras indústrias. Em épocas delicadas, o diferencial para as empresas pode ser justamente a criação de materiais mais leves, mais resistentes ou mais econômicos, e, para isso, é importante ter em seu quadro de funcionários profissionais com essa formação. Nos últimos anos tem havido boa procura pelo engenheiro químico por parte de empresas de engenharia, como a Engevix e a Promon, que, além de se dedicarem à construção civil, investiram mais fortemente na fabricação de equipamentos e maquinário industrial, visando ao abastecimento do mercado interno e internacional. Os setores petroquímicos, de papel e celulose, alimentício e farmacêutico, também mantêm demanda acentuada pelo graduado. As empresas de reciclagem e as indústrias que se preocupam com o reaproveitamento de materiais, por sua vez, oferecem oportunidades a quem atua na área de meio ambiente. Os cuidados com a natureza impulsionam a procura pelo especialista que está envolvido com o tratamento de resíduos das indústrias. Os segmentos de controle de processos, que exigem conhecimento de alta tecnologia, e de processos biotecnológicos em geral valorizam cada vez mais o engenheiro químico. Os pólos industriais do Rio de Janeiro e de São Paulo, incluindo Campinas e região, são os principais empregadores. Tem crescido ainda a demanda na Região Centro-Oeste para o trabalho com processamento de soja.  

O curso

No currículo durante todo o curso. Com os recentes avanços da biotecnologia, os conhecimentos de biologia vêm sendo incorporados ao currículo. A partir do terceiro ano, essas disciplinas passam a ser aplicadas a processos físico-químicos, nos quais o aluno aprende a identificar as reações, a analisar e a purificar compostos químicos ea projetar equipamentos relacionados com as diversas transformações que ocorrem na indústria química. As aulas em laboratório, inclusive no de informática, ocupam parte significativa da carga horária e são fundamentais para o estudante se familiarizar com os equipamentos industriais e se preparar para enfrentar problemas reais de uma fábrica. Algumas escolas oferecem formação específica em certas áreas, como meio ambiente ou celulose e papel.

O que você pode fazer

  • Desenvolvimento: Criar produtos e analisar sua viabilidade técnica e econômica. Aperfeiçoar o processo de fabricação ou beneficiamento de produtos, introduzindo novas tecnologias e adaptando as que estão em operação.  
  • Meio ambiente: Definir normas e métodos de preservação ambiental. Reciclar e tratar resíduos industriais.  
  • Processo industrial: Planejar e supervisionar operações industriais, administrando as equipes e as diversas etapas de produção. Estudar e implantar métodos para aumentar a produtividade, reduzir custos e garantir a segurança no trabalho.   
  • Projetos: Projetar fábricas, determinar processos de produção, instalações e equipamentos, procedimentos de segurança e a logística de estocagem e movimentação de materiais.

por enquanto é só, espero os comentários (agora não precisa ter conta pra comentar) e aguardo vocês no chat (ver post)

8 comentários:

  1. Essa imagem do cara no laboratório é de um livro que eu tenho, hahae!

    ResponderExcluir
  2. foi a mais legal que achei no google ju

    ResponderExcluir
  3. Olá! Gostei bastante do blog, conheci através do orkut.. Queria que você falasse um pouco sobre Engenharia de Petróleo e Gás. Estou pesquisando para conhecer melhor o curso por que penso em começar no semestre que vem, mas ainda rola umas dúvidas e além do que quero saber como é o mercado de trabalho, as disciplinas e etc. Beijãoooo e ah, já sou seguidora do blog!

    ResponderExcluir
  4. Amei esse post. hahahaha

    ResponderExcluir
  5. Estou no http://processo-industrial.blogspot.com
    Com muitos artigos relacionadas com processo industrial.
    Abraço; Almir Cezar

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Posta alguma coisa sobre o engenheiro de bioprocessos que é o mesmo engenheiro bioquímico... ;)

    ResponderExcluir
  8. público masculino de fato faz falta na graduação em engenharia química :(

    ResponderExcluir